China inaugura seu primeiro terminal automatizado de containers

O tempo que um navio leva para ser descarregado e recarregado é essencial para a lucratividade da empresa. Navio parado não gera dinheiro, só gasta. Por isso portos brasileiros não são bem-vistos: o tempo que uma carga leva para ser desembaraçada aqui é quase tão longo quanto um embarazo, e se essa piada não faz sentido pra você, pergunte a alguém que fale espanhol.

Agora a moda é otimizar o tempo de descarga mesmo em lugares onde ele já é excelente. A China está usando automação, e inaugurou um terminal no Porto de Qingdao que é pura ficção científica.

Primeiro, os números. O terminal tem capacidade de manipular 5,2 milhões de TEUs, uma unidade que significa twenty-foot equivalent unit, são aqueles containers-padrão de 6 metros. Para dar uma idéia, o Porto de Santos manipula por ano 4.067.736 TEUs (dados de 2014). O Porto de Qingdao inteiro manipula anualmente 15,52 milhões de TEUs.

85% da mão de obra humana foi eliminada. A eficiência aumentou em 30%. O trabalho é controlado por NOVE operadores em uma sala com ar-condicionado. Nem de luz o porto precisa, pode funcionar de noite sem gastar energia de iluminação.

O terminal suporta aqueles navios porta-containers gigantescos, com 24 mil unidades. Aqui um vídeo curto: